----

Sejam bem vindos ao Meu Mundo Subjetivo!

domingo, 22 de junho de 2014

Conceito e conceitos



É comum ouvir as pessoas criticando as redes sociais e as relações advindas destas.
Os perigos do mundo virtual começam na fragilidade das relações  reais. Claro que ninguém está livre deles, mas alguns apresentam maneiras especiais de lidar com as mais diversas situações.
Pessoas são diferentes e encaram os fatos de acordo com suas crenças e  visão de mundo.Se existe o problema, existe  possíveis soluções.
Depois de experiências pessoal  e pesquisas sobre como as pessoas se comportam dentro e fora do mundo virtual, percebi que nada ocorre de extraordinário. Afinal, desde sempre as pessoas criaram meios de comunicação (carta,telefone, rádio, classificados,etc.) e meios de fuga da realidade, para fugir das consequências de suas escolhas (livros, filmes, teatro, música, dança,etc.).
As cartas favoreciam intimidade, em muitas os textos eram de fazer perder o fôlego. Com o telefone não foi diferente, permite troca de carícias ao pé do ouvido e nem sempre é o marido ou a esposa quem compartilha destes momentos picantes.
O casal não trai somente ao manter relações extraconjugais, sejam casuais ou estáveis. Também há traição em não respeitar os desejos e sonhos do outro. Quando falta companheirismo e cumplicidade surge os perigos da relação. Porque nem sempre somente amar basta.
No entanto, quando surgiu o mundo virtual as pessoas passaram a culpá-lo de tudo: inclusive daquilo que já existia antes dele existir. 
Foi o que ficou compreendido ao conversar nos bate-papos com homens e mulheres (do Brasil e do mundo) em algumas das muitas redes disponíveis na web.
Ninguém me contou que um casal se separou por causa de uma revista pornô, mangás, revistas em quadrinhos... Mas, por causa de um celular, ou melhor: por causa das mensagens de textos sim.
Pois o telefone é pessoal, por mais que seja de uso comercial; receber uma mensagem fora de hora e com alto teor de intimidade, compromete! É  o mesmo que chamar o outro de burro, de boca fechada.
As pessoas diziam que na internet é mais fácil fugir da solidão e o anonimato permite que sejam outras pessoas, a segurança é fundamental. Em um clique  voltam para a vida real, para os problemas e para a vida sem graça que têm, na maioria dos casos.
Nas redes se permitem a algumas aventuras, uma vez que não acreditam que a relação extrapole as barreiras físicas e virtuais e passem a ser real. Não conhecem mesmo quem tá do outro lado, sem considerar que também não conhece quem dorme do seu lado nem as pessoas de seu convívio.
Isso é o mesmo que um casinho real, antes da internet, que começou meio sem querer e não passou disso. Embora, houve o perigo de envolvimento emocional mais profundo e a brincadeira poderia deixar de ser divertida ,com consequências devastadoras(!).
Tudo é possível quando se tratar de pessoas e de sentimentos. A internet é  um instrumento facilitador de muitos caminhos: trabalho, estudos, diversão, etc. Se ela permite contato entre pessoas é comum que haja  algum tipo de relação entre elas. Verdadeira ou não.Baseada em diversos interesses, como na vida real.
Por esta razão é importante rever conceitos e procurar entender o que motiva o sujeito a buscar companhia (amigos) ou sexo virtual. Pois, na vida há mudanças e precisa-se acompanhá-las.
Ela ( a web) veio para mostrar outros caminhos, como na vida real há caminhos que levam a lugar nenhum e outros que causam mudanças positivas ou não.
Rever os motivos que  leva  o indivíduo a assumir compromisso com seu par. Se casou por interesse financeiro, para dá satisfação à sociedade, ou simplesmente para sair da casa dos pais/familiares.
O que causa a sensação de frustação no sujeito?
Por que precisa viver preocupando-se com a opinião alheia?
Atualmente a internet é a maior vilã nos desfechos negativos das relações mal sucedidas, antes  eram as novelas (televisão) quem destruía os casamentos e a família.
Pessoas seguras correm menos risco de cair nas tentações oferecidas pela vida dentro e fora das redes. Porque se isso acontecer estarão  dispostas a viver as consequências.
Já os maliciosos apontam os outros para que ninguém preste atenção no que fazem. O que não percebem é que isso não funciona. Alguém sempre ver e as pessoas comentam com outras pessoas que passam a mensagem/informação  adiante. Sempre foi desse jeito.
As pessoas ainda não aceitam que nada se faz escondido, seja nas redes ou fora delas. É preciso assumir fatos e atitudes, ao menos para si mesmo; ser responsável pelas escolhelhas feitas. Isso evita arrumar culpados pelo que não deu certo ou pelo que lhe causa vergonha.
O perigo reside na internet ou nas intenções de quem faz uso dela?

....Frag-men-tos....Meus....