----

Sejam bem vindos ao Meu Mundo Subjetivo!

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Conto 3 ( 1ª Parte)

Um tapa na cara




"Oi, pode falar..."
"Aaahh...você botou o chip!"
"O quê?!"
"Desculpa, pensei tá falando com Julhinha...liguei errado nêga."
"Certo, isso acontece. Até logo!"
"Fica com Deus, viu?!"

Amanda desligou o telefone com total certeza de que a ligação foi mesmo por engano, já que tinham se falado há quase uma hora e ele se despedira dizendo está ocupado no trabalho. E agora liga por engano, pensando ter discado o número da filha, será?!
 Na verdade Jonas havia ligado para uma de suas conquistas ou possível nova conquista. A voz dizia tudo, principalmente por ter ficado sem graça ao reconhecer a voz da pessoa errada do outro lado da linha.
Ela já havia notado o lado garanhão de Jonas, no entanto ignorou seus instintos para se dá a chance de amar e de ser amada por um homem com muitos predicados. Mesmo com seu espírito de liberdade, de não se apegar mais que o necessário. Ele sabia perfeitamente sair das aventuras exatamente como entrou. Não se prendia mesmo. Tinha um papo seguro e igualmente mentiroso.
Amanda estava profundamente decepcionada e por outro lado consciente de que já tinha passado da hora de dá um basta naquela situação. Estava furiosa consigo mesma por ter ignorado seus instintos. Foi burra o tempo todo acreditando que seria diferente. Dizia para si mesma que fora muito pretensiosa.
Não era fácil esquecer tudo que viveram, mas aquela história já tinha dado tudo que tinha pra dar. A coragem que lhe faltava finalmente chegou.
Aquele telefonema por engano foi um tapa na cara de Amanda. Sim, ela despertou e colocou o ponto tão hesitado. Foi uma relação curta  e intensa, Jonas vivia sondando os sentimentos de Amanda. Enfim, uma relação de três meses com idas e vindas. Amanda estava feliz, ao menos se permitiu viver, amar  e ser amada de uma forma nunca imaginada antes.
Discutir o assunto com Jonas não era o caminho, ela já sabia que nunca chegariam a um consenso. Isso aconteceu tantas vezes. Era inultil, gastar energia com uma conversa que não passaria de "você quer ter razão sempre" e todo o blá-blá-blá já conhecido.

"Amanda, posso ir na tua casa?"
"Melhor, não."
"Precisamos conversar..."
"Nada de conversa, com você nenhuma conversa termina bem. Já que eu sempre me calo pra não continuar naquela de quem tem mais razão, quem sofre menos, quem faz mais confusão...chegaaaa!"
"Você que sabe...te ligo depois, quando sua cabeça tiver menos quente e você tiver disposta a me ouvir."
"Não vou mais te atender, não perca tempo comigo nem gaste créditos !"

Um mês se passou, nenhuma ligação de Jonas. Quer dizer...nenhuma ligação do número de contato conhecido, porque ele ligava com outros números e não dizia nada.
Foi assim que ela começou a perceber o quanto ele mentia, tinha vários chipes e ligava para muita gente na tentativa de conquistar, de manter a conquista...até aí problema nenhum. Só virou problema porque Jonas esqueceu de avisar que não era nada sério e assim tirou de Amanda o poder de escolher se embarcava com ele ou não na aventura.
Quase um ano depois Amanda resolveu atender ( pela última vez) a ligação dele, o que não garantiu que ele deixasse  de ligar  direta ou indiretamente para ela uma vez por semana ou a cada quinze dias.

"Nêga, você sabe que a gente se gosta."
"Mas isso não quer dizer que eu tenha de aceitar tudo, você me chama de burra de boca fechada..."
"Também não é desse jeito!"
"A gente não tem mais jeito, acabou Jonas."
"Vê como você faz julgamentos precipitados?"
"Mais que um motivo pra encerrar essa conversa e você esquecer que existo, vivemos o que era pra ser vivido. Que parte você não entendeu ainda?"
"Você duvida do meu amor por você?"
"Não...só entendi que você diz me amar pra me prender."
"Sabe que não é assim...nunca pensei que ia gostar tanto de você e isso é de todo meu coração que falo."
"Aproveite o tempo livre que você tem e vá fazer um curso de teatro, vai fazer muito sucesso!"
"Acha mesmo que vou esquecer você? Estamos afastados há quase um ano desde aquele telefonema e não tiro você do pensamento...?"
"Um dia a gente será apenas lembranças na vida um do outro..."
"Você sabe que te gosto, a gente se gosta...caramba!"


....Frag-men-tos...Meus....