----

Sejam bem vindos ao Meu Mundo Subjetivo!

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Padrão de Beleza

Em uma das muitas madrugadas que não consigo dormir,
resolvi estudar. Não tinha concentração. Mesmo assim insisti e coloquei um DVD que contém livros, uma seleção de livros digital que comprei na faculdade. Liguei meu notebook, coloquei o DVD e abri o menu. Nada me instigava a começar uma leitura. Abria um livro, outro, outro e mais outro. Nada!
Em meio a esse tedio todo, um título me chamou a atenção. Um romance de Augusto Cury que trata de um assunto bastante pertinente a proposta deste blog, ou seja, trata do ser na sua essência. Dos sentimentos que o movimenta na longa estrada da vida. Convidando o leitor a ser protagonista da própria história.
Não passei (ainda!) do prefácio, mas já tenho noção de como será prazerosa e proveitosa a minha continuação da leitura.
A DITADURA DA BELEZA e a revolução das mulheres, despertou minha atenção por tratar desse universo e por estar de acordo com meu modo de ser e de entender a vida, ela seria bem mais simples se as pessoas tivessem mais segurança de seus sentimentos, se amassem, como o autor diz, do jeito que são.
Ainda no prefácio ele segue dizendo que como psiquiatra e pesquisador da psicologia busca compreender os pensamentos, a inteligência e a consciência humana, mais precisamente a mente feminina.
Afirma que em todos os tempos e em quase todas as sociedades o 'sexo forte' dominou o 'sexo frágil'. Em cada época, de acordo com sua mentalidade. Atualmente, o homem se apodera do corpo e da inteligência feminina para divulgar produtos e serviços eróticos. Num sistema canceroso que não necessita de pessoas felizes e seguras, mas daquelas infelizes e inconformadas com seu corpo e aparência. Assim o lucro é garantido, pois a beleza padrão está cada dia mais inatingível.
As mulheres se tornam alvos perfeitos, por serem mais solidárias, gentis, tolerantes e altruístas acabam se condenando a uma masmorra psíquica. Isto é, criou-se a mania de querer ser ou ter características consideradas perfeitas por atraírem os homens. De modo que as orientais desejam ser como as ocidentais e vice-versa. Nunca estão satisfeitas, não se gostam, buscam as tendências da moda e um corpo ideal.
Assim, o mundo vive a maior ditadura da história e uma paranoia coletiva, que as aprisionam dentro de si mesmas.
A ditadura da beleza oprime e destrói a autoestima do ser humano.
Homens, mulheres, adolescentes e até as crianças são atingidas por esse mal social, na maior tirania de todos os tempos.
Segundo o autor, as pessoas devem ter um caso de amor consigo mesmas, uma pessoa infeliz consigo mesma não fará o outro (a) feliz. Porque a autoestima é um oásis que se encontra no território das emoções e todos possuímos uma beleza física e psíquica particular e única.
Prosseguirei na leitura. Mas, já estou satisfeita com as primeiras linhas deste prefácio. É bom saber que não sou louca por gostar de mim como sou, sem essa sede por corpo perfeito e obsessão pelas tendências de roupas, calçados e maquiagem. Enfim, me sinto muito mais normal.
É claro que no meu gráfico das emoções, minha autoestima tem altos e baixos, mas lembro quem sou e prossigo consciente de que minha beleza  é particular e única, mesmo estando muito aquém daquilo que a ditadura da beleza estabelece.
....Frag-men-tos....Meus....